Back in Time #05: f(x) - Dracula, um hino subestimado.

12/20/2016 0 Comments A+ a-


Há uma parte em Dracula que diz "You Better Run Run Run Run", frase qual, caso fosse um youtuber beberrão, certamente utilizaria como piada visual para ilustrar alguma gag envolvendo a SM e o que eu faria com ela por não ter dado um MV para a música, algo tão grave que seria melhor ela correr correr correr. Como não sou, tento manter a dignidade enquanto faço a brincadeira desmerecendo outro nicho de entretenimento onde a base deve ser bem mais sucedida que eu. E enquanto continuo nesse parágrafo sem sentido e com tanta graça quanto a desgraça, você já deve ter perdido a vontade de continuar.

Para reativar isso, vamos ao que interessa; Dracula:



A não ser que você seja surdo, é impossível degustar La Cha Ta e Red Light e fazer alguma relação entre as faixas, entre os gêneros. Não fossem os timbres das meninas, seria impraticável o ato de relacionar até mesmo o grupo qual entoa o que se escuta.

A mudança sonora que começou a surgir em Nu Abo, 2010, teve seu ápice justamente no fenomenal álbum Red Light - pra mim, talvez, o melhor de todo K-pop. Red Light, em toda sua composição e coadjuvantes, foi o epitomo do experimentalismo das meninas, com uma grande pegada industrial, que por si só é uma bagunça rebelde. Porém, Red Light, como comeback de um ato tão mainstream, tende a ser comercial, por mais que o comercial do f(x) difira da maioria de seus semelhantes. E isso foi atingido sem perder o mérito artístico da coisa toda graças ao EDM upbeat misturado a todos os elementos típicos do noise ao próprio industrial e suas camadas incognoscíveis que criaram algo realmente único.

Dracula, um dos principais filhos do LP, traz todo o pacote de melodias inventivas com uma execução diferente da title track e divertidamente temática. Se títulos muitas vezes não têm a ver com o conteúdo da letra em si (o que diabos é um Navillera, um Gee Gee?), aqui a significação do rei dos vampiros é levada a sério com pequenos samples em homenagem a clássicos do gênero de terror e uma letra alusiva ao que retrata e sedutora, como na passagem de Krystal

Hold me Trust me hold my hand
Look at me Love me I’ll protect you
Com curtos 3:11 minutos, é basicamente impossível achar erros na canção. Toda a melodia agitada é ritmicamente fluida e cativante, e até mesmo partes que seriam bobinhas em outras contextos funcionam, como os turuturuturuturuturuturru, tudo isso cantado em entonações enfáticas, pausadas, tecnicamente conhecidas com Staccato.

Um grande trabalho de um grande grupo - o maior, na opinião deste que vos escreve. Uma das melhores b-sides ever no K-pop e do mundo, e até por isso, um grande e imperdoável pecado por não ter recebido MV algum ou nem ao menos Lives em Music Banks da vida. É inevitável deixar de pensar o quão icônico poderia ser um vídeo que aproveitasse o conceito das trevas para personificar as integrantes como vampiros, assim como neste ano perdemos de ver elas de Cowboys por desdém empresarial. Uma em meio às tantas faixas de meio de disco que quem ignora álbuns completos do efex irá perder. E acredite, quem não ouviu Red Light, Pink Tape e 4 Walls inteiros, perdeu muita coisa.
krystal fx f(x) red light dracula gif

E não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.