Algumas versões acústicas do K-pop que você precisa conhecer.

11/12/2016 0 Comments A+ a-


Por mais que em essência o capopeiro seja compelido a desejar e voltar ao básico de uma boa, velha e aconchegante farofa, pequenos devaneios espirituais carregados de melancolia ou uma simples calmaria interior fazem necessário uma alternativa sonora adequada ao momento. Afinal, como tudo na vida, há uma ocasião certa para degustarmos produtos de entretenimento. Ninguém deseja acordar em uma segunda-feira ao som de Oh! ou I'm the Best.

E para estes instantes taciturnos e reflexivos, porém ainda afastados da morbidez que acompanha o final de ano que pede baladinhas, nada melhor do que combinarmos canções bem populares e barulhentas desse gênero musical que nos une neste pequeno blog com um instrumental mais simplório e encantador; e por estes termos me refiro à versões acústicas, no maior estilo MTV Unplugged. Excelentes para sábados à noite, acompanhados de um horrível chá verde e nuggets de queijo

Vamos lá (lembrando que é uma lista de indicações, não de melhores):

AOA - Like a Cat


Época em que a FNC estava loucaça e gravou todos os tipos de versões diferentes dos singles das AOA pra sugar dinheiro de nós, vítimas do sistema.

Opto por Like a Cat por ser meu hit favorito entoado pelas garotas em 2014. Combinemos que a faixa perde muito da graça sem os trompetes e a intro icônica de Jimin, mas ChoA e Yuna conseguem deixar a melodia de certa forma "carinhosa" o suficiente pra valer a experiência. E que belo chute na bunda das outras integrantes.

WJSN - Secret


Secret, o debut moral do WJSN, também recebeu sua chance acusticamente, e tal qual a versão original, resultou em um esforço bem bacana. Como sempre, apenas vocais e rappers presentes - pra notarem como o visual é importante e relevante no conjunto, visto que menos de 50% das meninas participa da cantoria.

O destaque vai pro instrumental, com elegantes elementos de Jazz que associam-se bem aos vocais. 

LOOΠΔ - ViVid


Já ViVid, ao contrário de Secret, perde muito na transição do single genuíno para a estilização acústica. A falta de adaptação vocal para o arranjo deixa o ritmo levemente instável e em um aparente confronto para com o tempo da canção, ao contrário do impecável R&B original, minha segunda faixa favorita de Outubro.

Se você gostou, pode ainda conferir a interpretação "100% ao Vivo".

BigBang - Haru Haru


Com essa tenho sentimentos conflitantes. Haru Haru é certamente um dos grandes hinos of all time do K-pop. A versão acústica perde a dramaticidade e intensidade da "verdadeira", mas ganha parcialmente em sentimento.

O grande porém fica por conta de GD e TOP. Suas vozes pouco combinam com downtempos, sendo uma demasiada estridente e a outra gutural, respectivamente, ao contrário dos outros três, principalmente Daesung, cujo timbre, menos destacável em circunstâncias normais, harmoniza melhor com o estilo em pauta. 

SNSD - Gee


Eu não sei o que é mais triste nesse vídeo: a Jessica toda feliz, as meninas com esses rostinhos inocentes ou o que fizeram com Gee.

Certas coisas são irretocáveis em determinado formato, e Gee, a música chiclete símbolo master do K-pop, é uma delas. Seu modo definitivo é como Pop de menininha grudento e deu. As pegadas de acústica e Pop-Rock, na segunda metade da apresentação, só me fizeram ir até o fim por curiosidade.

Don't...Just Don't.

"Mas poxa, Carlos, o título diz que preciso conhecer e tu me vem com coisa ruim?"

Sim, é importante experimentarmos ambivalências para ampliar nosso senso crítico.

miss A - Bad Girl Good Girl


Isso tinha tudo pra funcionar. O batuque encaixou incrivelmente bem com o violão. O problema é que o cara resolve virar a Suzy e tirar a atenção de todo mundo, e eu não quero saber desse cara.

Literalmente, shut up boy!

E é isso, meus queridos. Sábado não é dia de se esforçar, então paramos antes dos judeus descobrirem que estou a trabalhar em pleno final de semana.

E para você, qual versão acústica vale a pena ser descoberta?

Não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.