5 Dicas de Filmes com Idols Para Você Assistir.

11/14/2016 0 Comments A+ a-


Ocasionalmente, me bate uma grande saudade de escrever sobre cinema. Em curto período, não penso em voltar com críticas semanais e muito menos com a lista de tudo que vejo por mês, pois foram os kpoppers que abraçaram o Blog e não gostaria de fugir da temática. Sei que muitos gostavam dos textos sobre, mas quando realizei a enquete na sidebar, 20% se mostrou fechada a hipótese das reviews voltarem, o que já foi um número alto.

Nada impede, no entanto, que os temas se unam quando conveniente. Assim, venho para vocês com 5 dicas de bons filmes com Idols que conferi em algum ponto da vida e curti o suficiente para indicar aos leitores. Não é um top de melhores, mas estão organizados em qualidade crescente. 

Here we go:
White: Melody of Death - Eunjung (T-ara). 

Longa metalinguístico que fala sobre Idols obcecadas por sucesso e fama que são amaldiçoadas pelo espírito de uma artista que morreu em décadas passadas, também vítima do predatorismo da indústria.

A película consegue unir esta relevante metáfora sobre o sistema do entretenimento e as condições muitas vezes desumanas que Idols enfrentam para atingir e manter o sucesso com uma trama divertida e instigante para os fãs de terror.

Eunjung entrega uma atuação complexa e consegue com êxito transmitir as diferentes nuances de sua personagem conforme ela é afetada pelos eventos da narrativa. 

Recomendo aos que toleram uma pequena dose de gore. 

Tazza 2: The Hidden Card - TOP (BigBang).

Esse filme!

Famoso por ser a obra onde exibiu seu abdome, TOP interpreta um pobretão que descobre ter um talento nato para jogos de azar, e assim dedica sua vida em enriquecer de maneiras duvidosas e ardilosas. Até que seus métodos se voltam contra ele. 

Um longa com uma quantidade inacreditável de reviravoltas em seu final, o que prejudica a veracidade da trama, mas acrescenta em muito na diversão, o grande objetivo dos envolvidos. TOP se entretém no papel, e sua fisionomia de galã, aliada ao personagem malandro e sagaz, torna a experiência genuinamente marcante.

Postman to Heaven - Jaejoong (ex-TVXQ, JYJ). 

Quando conferi o filme, nem sabia quem era Jaejoong. Meu interesse se deu por conta de presença de Han Hyo-joo, por um bom tempo minha atriz asiática favorita.

A trama fala sobre Jae, um carteiro que envia aos céus cartas de pessoas que sofrem pela perda de entes queridos. Uma dessas é Hana (Hyo-joo), que acaba por descobrir o rapaz, que assim lhe oferece um emprego de meio-período, o que faz com que ambos criem um relacionamento para curar as feridas um do outro.

Típico de dramas românticos do leste-asiático, Postman do Heaven é uma jornada singela e bela sobre perda e superação. Deve agradar e muito fãs de doramas por sua tendência ao melodrama. 

Já os interessados em Jaejoong não têm do que reclamar, visto que o sujeito é o protagonista e transmite bem a melancolia e mistério de seu personagem.

Cold Eyes - Junho (2PM).

Thriller dramático de ação sobre uma unidade policial sul-coreana especializada na vigilância de criminosos de alto grau.

Outro que corri atrás por Han Hyo-joo, Olhos Frios, em tradução nacional, fez barulho entre cinéfilos na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, em 2013, e é um fruto do cinema criminal da Coreia do Sul que alavancou-se desde clássicos como Memórias de um Assassino e Oldboy, ambos de 2003. 

Instigante, intenso, contemporâneo, com um ritmo frenético e roteiro inteligente, Cold Eyes é uma grande pedida aos fãs do gênero. Já quem busca ver pela presença de Junho irá frustar-se, visto que ele participa de uma pequena ponta como fugitivo.

Arquitetura 101 - Suzy (Bonde da Suzy miss A). 

Longa passado em duas épocas que fala sobre um jovem par de estudantes na época da faculdade e no presente, sobre suas situações e desventuras amorosas até chegar onde estão.

Sou fã de romance, mas após alguns anos como cinéfilo e várias aventuras pelo cinema sul-coreano, percebi uma fórmula repetitiva que me enfastiou e tornou tudo um tanto previsível.

Arquitetura 101 foi um grande respiro justamente pro quebrar vários dogmas do gênero. Ele junta o que há de melhor no conceito (simplicidade e ternura dos sentimentos) e evita o pior (melodrama, apelação emotiva e atuações histriônicas), o que resulta em uma história envolvente, emocionante e angustiantemente trágica conforme nos coloca em uma posição de impotente cumplicidade para com as desditas dos personagens.

Suzy, em sua surreal beleza e expressividade limitada, convence como uma garota confusa e refém de suas emoções. 

E é isso, meus queridos. Como apreciador da produção cinematográfica do leste-asiático, estou sempre a conferir novos espécimes de sua produção nacional, e esporadicamente me deparo com algum Idol por lá. Quem se interessar e tiver dificuldades para encontrar alguma obra em especial, pode me contatar por twitter que auxiliarei na busca. Ademais, planejo continuar essa coluna em breve. 

Até lá, ótimos filmes!

Não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.