SHINee segue evitando o Badboísmo genérico com '1 of 1'. Amém!

10/06/2016 0 Comments A+ a-


Como Kpopper desde 2010, criei uma certa familiaridade com o SHINee após todos esses anos exposto a notícias, comebacks e tudo mais. Meio que por osmose, inconscientemente, acabei por decorar os integrantes e suas faixas principais.

Tudo isso sem nunca realmente apreciar o grupo. Gosto de alguma coisa ou outra e respeito bastante a importância e história dos caras, assim como o tom que seus releases estabeleceram nos últimos anos, em contrassenso ao que todo BoyGroup tem apostado para atingir o sucesso fácil - dar uma de Bad Oppa Fodão - porém, nunca suspirei de ansiedade por seus retornos.

E assim, com este sentimento, dei play para seu novo comevolta, 1 Of 1. O que achei você saberá abaixo do MV.


A SM vendeu isto como um New jack swing, o que de fato, é claro. Só que muito do que se lança no K-pop pode ser caracterizado como tal. Costumamos definir as canções pela sonoridade que mais prevalece nela, enquanto o NJS é uma grande mistureba de coisas como rap, Dance e R&B. Estes dois últimos, majoritariamente, permeiam a discografia do SHINee com pequenas derivações, como Married To The Music, seu horror funk retrô 2015.

2015, aliás, foi um belo de um ano pro SHINee. Married To The Music tem seu valor (embora me divirta mais com o vídeo do que com o som), mas é View quem merece a verdadeira atenção. Também com uma pegada retrô, individualmente a faixa já é absurdamente viciante (eu ouvi muito ano passado, e pra criar este post, estou novamente no nonstop), e ainda serviu de progenitor para a que viria, posteriormente, se tornar o melhor produto capopeiro de 2015 - 4 Walls <3.

O que estas duas têm em comum com 1 Of 1? Além da pegada noventista, o fato de que nas três, jamais se convertem ao insuportável clichê de homens agressivos e indiferentes que conquistam os corações alheios. Só por isso, o SHINee já tem meu respaldo.

1 Of 1 consegue se aprofundar ainda mais neste conceito nostálgico. Não apenas sonicamente, como também no visual, algo não tão perceptível nos singles supracitados. Das cores berrantes e tropicais que fariam os Mamonas Assassinas criarem um cover imediato, aos figurinos cafonérrimos e o estilo de filmagem com transições em Wipe esquecidas pelo tempo.

Pela primeira vez na história do blog, tive de criar os gifs ao invés de roubá-los do Tumblr. Decepcionado. 
Não é um conceito tão criativo quanto Married to the Music ou Sherlock, por exemplo, mas novamente, ao contextualizarmos à época em que estamos, se torna um artefato insólito.

No entanto, como um todo, o resultado continua insuficiente para me tornar fã do ato. A ideia é bacana, e como disse tantas vezes, distinta do padrão. Entretanto, avaliada como música, 1 of 1 não tem uma força em sua estrutura, algo que torne a experiência tão marcante quanto a teoria pré-execução.

É o famoso "curti, mas com ressalvas".

De qualquer forma, espero que sigam insistentes em ser o SHINee, e não somente mais um Mothafucka Dark comum.
Já este tradicional Gif de encerramento foi roubado. 
Não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.