Guia do Irene Stan - Game Development Girls

10/09/2016 0 Comments A+ a-


Vou começar com uma confissão: eu sou um péssimo blogueiro. Hoje completo dois dias sem posts, o que seria normal caso algo isolado, mas o fato é que desde a criação do blog, tanto na era pré quanto pós-K-pop, a periodicidade dos posts sempre foi indecisa. Por vezes a criatividade e a disposição permitiam períodos frutíferos, seguidos por pequenos hiatos repentinos de alguns dias. Nada demais, mas que corrompe a sequência e prejudica a criação de um público mais definido. É cansativo acessar todo dia algo que recebe atualizações inesperadas, e logo você diminui a frequência de visitas até esquecer da existência da página.

Não que o Delírios esteja mal. Pra um blog de k-pop com menos de um ano de existência (a considerar desde que passei a escrever sobre a cena pop coreana), anda muito bem, com crescimento no número de visitantes. Mas me importo mais com um público assíduo e que interaja.

Qual a razão de toda essa digressão? Primeiramente, para me justificar a aliviar a culpa. Segundo, visando o seguinte:

Hoje, enquanto divagava sobre minha imperícia como criador de conteúdo digital, tentei bolar algo para escrever - resenhar o último bom EP do Monsta, talvez?! - mas não, ao menos por enquanto. Então, um tópico fácil surgiu: a websérie estrelada por Bae Irene - Game Development Girls - aquela por qual eu viro um fã no limite do constrangimento.

Eu a assisti há meses, mas não havia planos de escrever sobre. Bem, em tempos escassos, mudo a estratégia e aqui está.

'Girls Development Games' fala sobre o pitoresco cotidiano de três garotas e um rapaz que trabalham em uma iniciante desenvolvedora de jogos mobile.

Você pode ver a série em um só vídeo legendado em inglês com os 11 capítulos compilados (117 minutos ao todo), ou um por um na versão legendada pela maravilhosa equipe do Red Velvet Brasil.


"Mas Carlos, por que eu deveria assistir essa série?".

GDG, como sua curta duração sugere, não é um dorama romântico complexo, cheio de reviravoltas, melodrama e sofrência. É uma experiência curta, breve e leve, e a proposta é exatamente esta.

Os integrantes da companhia já são familiarizados consigo mesmo e acompanhamos as peripécias do grupo, enquanto sua personalidade é construída sinergicamente ao andar da pequena trama, conforme dão dicas do que acrescentar no jogo em produção, vestuário e, ocasionalmente, na exposição de seus pensamentos, como o personagem de Lee Joo Young, apaixonado por Irene e em sérios dilemas de como se declarar.

Para os que não aguentam mais romance e a xaropeira que é o desenvolvimento de um casal, fiquem tranquilos. Como supracitado, o tempo é curto demais. GDG é, majoritariamente, cômica. Algumas características típicas de dramas orientais estão lá, como as gesticulações, certos exageros na composição dos habitantes de seu universo e um certo fanservice. Entretanto, nada incômodo.

E aí entra Irene. É óbvio que a líder do Red Velvet é o maior chamariz do programa, talvez a razão de sua existência. Apesar do foco em tela ser bem dividido, é a Idol quem atrai a maior parte dos olhares e recebe a personalidade mais destacável.

Ah Reum, seu nome fictício, é uma figura nerd e brilhante em sua profissão, mas que misteriosamente perde as "habilidades" ao retirar os óculos, que por si só já a conferem uma aparência mais Kawaii, como dizem os japas. Seu jeito adoravelmente - e exacerbado, é claro - inocente é um contraste divertido com o gosto da garota por filmes de terror, assim como uma misteriosa paixão por cosplay, outro atrativo especial aos fetichistas.

Portanto, eu estaria mentindo se dissesse que GDG é um grande show, impecável e de entretenimento garantido. Ele é, sim, engraçado, e para os saturados da mesmice dorameira, uma experiência inédita e veloz. Porém, os únicos que irão realmente enlevar-se durante o processo, são, assim como eu, os fãs de Bae Irene. É uma excelente oportunidade de se tornar um.

E quem não é, é louco.

Bem, vou encerrar este post de enaltecimento assim, antes de entrar no terrível reino dos fanáticos. Mas qualé, tem como não sentir uma atração enorme por essa mulher?!

Não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.