Higher é um single que você precisa conhecer.

8/21/2016 0 Comments A+ a-


Iniciamos assim: eu não gosto muito de rap. Nunca tive apreço nenhum até conhecer o K-pop, onde fui condicionado a aceitar o estilo, já que quase todo ato mete uma bridge rapística em meio às melodias. Entretanto, algo que nunca pude suportar são os raps masculinos que marcam presença em vários solos femininos, sendo que são, em grande parte dos casos, destoantes e inúteis para o som original, vide a pavorosa participação de Fabolous em Fly, da Jessiquinha.

Porém, como já deixei claro incontáveis vezes aqui, eu sou - ou tento ser - um ser de mente aberta, averso a quaisquer preconceitos. Não gosto de Apink, Sistar ou EXO, por exemplo, mas sempre dou chance a seus novos releases, ávido por perder ranços e insatisfações passadas. Ocasionalmente, faço o mesmo com raps, e foi o que ocorreu quinta, quando realizei minha visita tradicional ao canal da Loen, que como distribuidora fonográfica, upa algum novo lançamento todo dia, seja de nomes mainstream, médios ou extremamente nugus.

E entre vários clicks descompromissados e automáticos, me deparei com uma pequena pérola pertencente ao gênero....rap.

Confira:



Pra quem não conhece essa galera underground, DJ SUCO (os caras se superam nos nomes escrotos) é um veterano que nunca fez nada relevante, enquanto Hanhae é integrante do trio de Hip Hop "Phantom"; e LOCO, que pertence ao AOMG, mas você deve reconhecer de várias contribuições Pops, como Hyomin e seu Nás Bóde, Jay Park e Eric Nam

Higher mescla vários elementos que me desagradam na raiz do Rap em geral, como a postura bad boy ostensiva; as letras que retratam autonomia e perseverança para atingir sonhos, o rosto fechado e as gesticulações, só que a backing track do Tang é tão viciante, que consigo relevar as bizarrices, como o maluco vestido com camisa do Justin Bieber "Purpose Tour" e o cabelo de coroinha.
O curioso caso do rapper com camisa de Justin Bieber e cabelo de pastor. 
Dei uma busca rápida em trabalhos anteriores do trio e não gostei de nada que já não conhecesse (eu curto muito Nás Bóde), o que torna Higher uma real exceção na discografia dos caras, e eles talvez nunca mais produzam nada bacanudo e sejam relegados ao ostracismo breve. Caso isso aconteça, ao menos deixaram uma faixa tão fantástica de legado. 

Não deixe de curtir a página do Delírios no Facebook.