EXO volta misturando seus lados Black & White. Um é surpreendentemente ótimo, já o outro...

6/08/2016 0 Comments A+ a-

Antes de me odiar, leia o post INTEIRO. Ao contrário do que fará com o LP, provavelmente.
Eles voltaram! Após uns poucos meses de mais um daqueles singles de natal xaropes que a SM adora empurrar no mercado pela falta de coisas decentes no mês, EXO, os reis da mídia física, estão de volta com um Comeback com direito a Double MV. E a Luna, pobrezinha, numa deliberada auto sabotagem da empresa escravizadora, que se ferre.

Não pude conferir os MVs imediatamente ao lançamento por motivos de ~ responsabilidades acadêmicas chatas ~, e ao voltar e ler uma breve descrição dos conceitos dos vídeos, prontamente me animei para priorizar Lucky One, pois era algo inovador, fora da caixa e muito mais remetente a melhor música deles, Call Me Baby. Que baita mentira!


Se Lucky One for considerado algo novo para qualquer grupo, o ato deveria imediatamente ser encerrado por incompetência. A introdução é animadora, com uma batida upbeat com pegadas Pop e Disco, o problema é que o desenrolar se destrói e não vai a lugar nenhum. Pior, ele cai na maldição do k-pop 2016: tentar emular qualquer característica de R&B sem ter a mínima ideia de como o fazer. As produtoras parecem tão desesperadas pra dar uma atmosfera mais Ocidental em certas músicas que não se esforçam pra produzir algo decente e com alguma chance de cair no gosto do povo não capopeiro. 

O MV é outra decepção. O concept Maze Runner 2, como se fosse uma continuação natural de Overdose, que é Maze Runner 1, é desperdiçado não apenas pela sonoridade fraca, que obviamente afeta o que vemos em tela, já que é uma música de tudo, mas isoladamente tropeça de qualquer forma. Não satisfazendo-se em ser enfadonha, Lucky One parte para o constrangimento: o que é o momento em que Kai para no corredor, do nada, para distrair as robôs com sua dança mais dura que o T.O.P com artrose????? Eu até tentaria ver o clip mais algumas vezes com o intuito de tentar tirar algo das cenas abstratas, mas....

Mas não me odeiem, EXO - Ls - ou vocês preferem EXOtics??? Enfim, eu havia perdido qualquer esperança após achar Lucky One uma droga. Monster tinha a cara de um desses genéricos de boybands bad boys fodões. E é. Mas isso não a impede de ser realmente boa.



Eu me sinto até culpado por gostar de Monster. Sério. Como posso admitir curtir algo que no meio da letra tem versos como:

I’m toying with you in my palm however I want
I will overturn you, break and swallow you,
Yeah I steal you and indulge in you
I will ruin you
Mas o poder de uma boa melodia é tal que perdoamos certos fatores duvidosos quando a escutar torna-se um prazer. Monster é algo que as empresas aprenderam a apostar como terreno fértil e garantido de sucesso e lucro, independente da qualidade, apelando para uma imagem mais excêntrica e estilizada dos boys como machos alfa, misteriosos e valentões. Normalmente odeio isso, o que sempre foi uma certa restrição que tive com vários boygroups, já que grande parte dos singles seguem este estilo, mas esporadicamente, bem raramente, eu me junto ao grupo de adoração aos Bad Oppas. 

É um farofão masculino. Só esse ano, por exemplo, fica difícil não relacionar com Fire, e principalmente, All In, essa última com muita semelhança inclusive no MV distópico revolucionário. 

Ao contrário de Lucky One, que começa bem e se esvai lentamente rumo ao precipício da esquecibilidade, Monster inicia empolgante, com a backing track robótica, e mantém o mesmo nível durante sua duração, com o ápice, naturalmente, progredindo na bridge até chegarmos ao refrão. O rap de Chanyeol e do outro - desculpem, não sei - se encaixam muito melhor com esse som mais agressivo e agressivo. Para aumentar o contraponto com o Second Single, a conclusão, que gradativamente reduz seu ritmo com as vozes de Baekhyun e Chen, deixa uma sensação mais enérgica e automaticamente desperta o replay power. É incrível que tenham conseguido acertar e errar em extremos tão discrepantes no mesmo LP.

Monster ainda é >>>> que Monster, mas é um pareamento nivelado por cima.

A despeito de minhas opiniões irrelevantes, as duas já lideram todos os charts e acho provável que o álbum vai ajudar o EXO a, novamente, liderar a lista de artistas que mais venderam CD's na Coreia. Mais importante que isso, entretanto, é o ensinamento que tiramos do projeto: inovar e sair da caixa nem sempre garante qualidade. Às vezes, se manter no básico é o suficiente. Veremos até quando isso funcionará.
Huasuashausaus. Aliás, essa coreo está nos dois MVs. Dissertem. Ou não.